6.5.17

2/52 Aquarelas
e um daqueles instantes desesperador na minha vida

✗✗✗

Já falei o quão estressante está sendo o desdobrar do meu TCC. E no ápice de estresse, peguei minhas tintas guardadas, na realidade quase intocadas, e fui pintar aquarelas. Me senti tão feliz e tranquila, que fiquei bem para retomar as obrigações da faculdade. 

Daí me surgiu a ideia "Vou fazer aquarela, ao menos, uma vez na semana para relaxar. Também posso publicá-las como conteúdo no blog". O resto cê já imagina, criei o projeto 52 aquarelas

O resultado? A situação que deveria ser de prazer e desopilação, se transformou numa noia em busca da perfeição

Quando eu me comprometi em publicar os desenhos no blog, fiquei agoniada para fazer o mais bonito/perfeito possível... Isso, porque fiquei com vergonha de publicar as minhas m3#$%. Então, consegui transformar algo ótimo em mais um daqueles instantes desesperador e malsucedidos na minha vida.

Note o quão isso é errado. Preciso parar de buscar, desse jeito desenfreado, a aprovação dos outros. De tentar me "ajustar" na ilusória tentativa de ser aceita, quando aceitação é o oposto disso:

O verdadeiro pertencimento só acontece quando apresentamos nosso eu autêntico e imperfeito ao mundo, nosso sentimento de pertencimento nunca será maior do que o nosso nível de autoaceitação
Brené Brown               


Sempre clamei discursos de autoaceitação e amor próprio, mas ultimamente, confesso, tem sido muito difícil de praticá-los. Desde que comecei o curso de jornalismo penso, de modo criterioso, no conteúdo do blog. Até mesmo em criar um canal no Youtube. Mas morro de vergonha. Fico nervosa, triste e desanimada. 

Isso ocorre porque criei expectativas sobre mim e anseio que meus projetos sejam fanáticos. Quero que as pessoas gostem, quero que sejam de qualidade, na verdade, quero que sejam incríveis. Mas precisa de tempo para funcionar, de tempo para se adequar, de tempo para consertar os erros e melhorar os acertos.

O problema é que não quero passar por esse tempo, quero ser "perfeita" agora e advinha: isso é inconcebível. Pior, é emocionante angustiante, pois eu sei que é inconcebível hahaha

A vergonha que tenho de mostrar minhas imperfeições alimenta a ideia de "não sou/estou boa o suficiente". Me faz adiar projetos, guardá-los - na prática, escondê-los. E quando isso acontece estou tirando deles (dos projetos) o tempo necessário para amadurecer e se tornarem exuberantes. 

E agora? O que fazer diante disso?

Vergonha é aquela sensação quente que escorre por nós, nos tornando pequenos, defeituosos e nunca bons o suficiente. Se desejamos desenvolver resiliência à vergonha –a habilidade de reconhecer a vergonha e passar através dela enquanto mantemos nosso valor e nossa autenticidade  – , então temos que conversar sobre por que a vergonha acontece
Brené Brown            


E por isso, que escrevi esse post. Para compartilhar sentimentos que precisam ser partilhados. Seja para diminuir nossos monstros, seja para abrir os olhos de outra pessoa sobre algo que até então ela não enxergava. 

Conversar sobre o que faz você ter vergonha lhe dar controle sobre o efeito que ela pode causar na sua vida. Sim, estou com muita vergonha de mostrar as minhas aquarelas. Elas são super amadoras e estranhas. Isso me causa medo porque não quero ser menosprezada ou vista como uma pessoa sem talento. 

Porém, mais do que o meu medo de ser criticada é o meu desejo de ser autentica.

minha 2ª aquarela do projeto 52 aquarelas

Autenticidade é uma prática diária de abandonar a ideia de quem precisamos ser para assumir quem somos.  Eu, por exemplo, estou aprendendo a pintar. Tenho alma de artista, mas meus desenhos são muito amadores. Tudo bem, tô no início ainda

Pintar é o meu momento de lazer. Mesmo que eu tenha criado esse projeto no blog e tenha a responsabilidade de publicar semanalmente minhas pinturas, é bem verdade que vou fazê-las sem a pressão da impecabilidade. É apenas algo que faço para relaxar e compartilho por motivos de: eu quero. 


beijo,
Bruna

8 comentários

  1. Esta publicação tocou-me no coração. Vi autenticidade nas tuas palavras e percebi a tua angústia. Amadora ou não, adorei a aguarela. Transportou-me para a escola primária, altura em que utilizava essa forma de expressão.
    Espero, sinceramente, que toda esta angústia se dissipe e em relação à vergonha... não tenhas. Assume quem és e os teus gostos e valoriza-os :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou tentando, juro. Tenho tentado ser eu mesma, mas confesso que as vezes caio na armadilha de ser quem querem que eu seja.

      Que bom que esse texto te levou a relembrar esse momento da escola primária.
      Engraçado como todas as crianças pintam e desenham bem, mas sempre tem adultos pra dizer que não.

      beijo :*

      Excluir
  2. Essa semana eu tentei fazer algumas aquarelas e fiquei bem frustrada. Especialmente por uma que derrubei no chão enquanto secava e estraguei tudo. T_T Mas to tentando pegar essa vibe de me dar tempo para aprender e me conhecer. Comecei pra relaxar e me distrair e não me pressionar mais. Seu projeto tá lindo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aiii Ka, obrigada por ter vindo aqui dizer isso. Ter compartilhado comigo um momento seu de frustração e mostrado que esse sentimento acontece com outras pessoas também. É acolhedor, sabe? É como se falasse "tudo bem! eu também tô nesse barco, mas a gente consegue". Obrigada, obrigada...

      Eu acho suas aquarelas lindas.

      Vamos tentar não nos pressionar tanto. Não precisamos ser perfeitas, precisamos fazer com amor e alegria.

      beijo :*

      Excluir
  3. entendo bem essa busca (agoniante) por perfeição. sou assim em relação as minhas fotografias, e isso me faz desanimar MUITAS vezes. é terrível. fico feliz que tenha postado aqui, eu não entendo nada de pintura/desenhos, e achei sua arte linda ♥ a primeira que colocou no outro post tb! hahah.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, K. Eu tô lendo um livro que tá me ajudando muito a vencer essas barreiras do perfeccionismos. Inclusive, é esse autora que citei nesse texto. O livro se chama "A arte da imperfeição". E tem uma frase que a vontade que tenho é de tatuá-la na minha pele.

      "Há uma rachadura em tudo. É assim que a luz entra"

      Ou seja, são essas imperfeições que fazem da gente pessoas incríveis. Então, vamos ser autênticas e imperfeitas. Pq é assim que somos.

      Obrigada pelo comentário! É um sentimento indescritível a gente compartilhar algo e notar que não somo as únicas pessoas a se sentir assim. É por isso que adoro escrever aqui.

      <3

      Excluir
  4. Nossa, me identifiquei tanto... sou assim com quase tudo na vida, tenho vários projetos que simplesmente não consigo colocar em prática com medo de ficar uma m#$%&*, e isso me deixa bem chateada. Parece uma impotência... amo aquarelas e, apesar de não entender muito de arte, a sua tá bem linda. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre os projetos que não coloca em prática, arrisque-se a colocá-los. Todos tem esse sentimento de medo e vergonha - TODOS! -, e isso não pode mais te impedir de fazer o que deseja.

      Eu publiquei esse desenho com muita vergonha, achando que tava horrível. Mas olha a surpresa maravilhosa que estou tendo, várias pessoas lindas vindo aqui elogiar.

      Faça o seu melhor, mostre ao mundo e se surpreenda com o retorno que isso pode te dar.

      beijo :*

      Excluir

Copyright © Ensaio de asas
Design by Bruna Sarga