5.12.15

sobrevivi com dignidade

Nããão, eu não abandonei o blog. Estava em semana de prova que, no meu curso especificamente, dura um mês por causa dos malditos trabalhos acadêmicos. Esses, tentam roubar nossa alma. Mas que fique claro: sobrevivi com dignidade! 

(Tirando a parte que, para conseguir ficar acordada de madrugada e terminar um dos trabalhos, tomei misturei coca-cola, café e red bull. Assim que amanheceu, fui parar no hospital. Pero, entreguei o maldito e tirei 8,5)

Dignidade  Maturidade. O que isso quer dizer? Lágrimas rolaram.

Agora que você já entendeu o motivo da minha ausência, vamos para as coisas legais que aconteceram durante esse período. 


LEITOR DIGITAL DA SARAIVA




Ganhei um LEV de aniversário. Desde então, leio um livro atrás do outro. 
Eu tinha um puta preconceito em relação aos leitores digitais. Gosto de livros, pegar nos livros... Cheirar, abraçar, tocar nas folhas, na capa... Enfim, gosto de livros físicos por causa de todo o ritual que tenho com eles.

Porém, confesso, leitores digitais são maravilhosos. Os motivos? Te dou vários. É pequeno e leve, logo posso levar na minha bolsa - praticamente qualquer bolsa, inclusive pequenas - sem dificuldade. Tem capacidade de armazenamento - para mim, essa é a melhor funcionalidade-, onde posso carregar milhares de livros para onde quiser. Ou seja, baixo a maioria dos livros exigidos na faculdade. Rá! 

Sei, nada anula o amor por livros físicos. Mas o LEV tá contribuindo bastante para aumentar o meu repertório. 


OS TRÊS ÚLTIMOS... LIVROS



Holocausto Brasileiro, de Daniela Arbex

Na última avaliação de Telejornalismo II, o professor deu duas opções de leituras para apresentar um seminário. Escolhi Holocausto Brasileiro, da jornalista Daniela Arbex. Em resumo, ele retrata a atrocidade ocorrida no maior hospício do Brasil, Colônia, durante o século XX. Sério, não é exagero afirmar que aquilo foi um holocausto. 60 mil pessoas foram assassinadas e a maioria delas não tinham diagnóstico de doença mental. Impossível não se emocionar com os depoimentos dos sobreviventes, das pessoas que trabalhavam lá na época... É pesado, mas indico a leitura.  



Diferente dos livros que te dão soluções para minimizar o "problema" da procrastinação, aqui você vai aprender a viver - de boa -, deixando tudo para depois. Pelo menos, as tarefas mais chatas, com o prazo estabelecido esgotado, mas que não te pressiona o suficiente para realizá-las no momento. A ideia é ser estruturado e realizar várias tarefas procrastinando. O autor ensina uns exercícios práticos interessantes. Como, por exemplo, fazer uma lista de coisas que você precisa fazer, porém não requer urgência. Assim, quando tiver algo importante para realizar, mas, lógico, você não tá com saco, pega a lista e faz um dos itens que tem lá. Tipo, arrumar o armário, quando deveria fazer o trabalho da faculdade. 


A Resposta, de Kathryn Stockett
título original: The HelpBertrand Brasil

Desde que vi Histórias Cruzadas, fiquei com vontade de ler o livro que originou o filme. Amor define. Os dois são maravilhosos. A história é sobre a relação das empregadas domésticas negras com as patroas brancas. O enredo é ambientado no Mississippi de 1962, onde a segregação entre brancos e negros existia - até hoje há conflitos raciais no estado. Quando o caldo engrossa, as empregadas dão um passo extraordinário... Escrever um livro relatando como é trabalhar para uma branca. Apesar da relação conflituosa, com histórias cruéis e desumanas, também havia amor, amizade e companheirismo entre tantas outras. ♥


AMADA NETFLIX 



Quando a gente tá na época louca das provas, distração é fundamental para aliviar o stress. Comecei a assistir Jessica Jones. Ainda estou na metade - não sou dessas que assiste seriado em um único dia -, mas tô curtindo muito. Agora, nas férias, termino essa bagaça. 



Depois desse resumo do que ocorreu no período de ausência, volto com carga total para um dos meus lugares favoritos da internet: meu blog. 

beijos e até logo! 

7 comentários

  1. Eu quero MUITO ler Holocausto Brasileiro, mesmo sabendo dos riscos de muitas lágrimas e de perder algumas noites de sono por isso.
    Fim de semestre é sempre um pesadelo, todo dia tem aquele diabinho no nosso ombro sussurrando no ouvindo "ow, tranca essa porra e vai dormir". Inclusive, Jessica Jones foi o meu oasis durante o intervalo de provas e entrega de trabalhos, o prazer de tirar um fim de semana pra fazer só isso e nem lembrar que tem prova por aí!!

    Sentimentaligrafia

    ResponderExcluir
  2. Cara , resolvi tentar assistir Jessica Jones tbm pq todo mundo fala TÃO BEM da série aqui na blogosfera. O que vc ta achando? Eu ainda nao tenho opinião formada.... e mt triste dignidade ser diferente de maturidade, concordo demais HUIAHSIUAHSIAUH

    ps. te enviei uma mensgaem no facebook ha um tempo. Vc viu? Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, eu gostei muito. Terminei ver nesse fim de semana.
      A marvel deixou o seriado adulto. Tipo, muito sangue, cenas de sexo e mortes terriveis.

      eita, ainda não vi. Vou dar uma olhada e te respondo

      Excluir
  3. Bruna, esse seu layout de mini-resenhas dos livros foi inspirado no meu, né? Sério, tá igualzinho, me senti homenageada! Hahaha! <3

    Eu estou lendo um livro que tem esse background do Holocausto, super pesado, então pretendo ler uma coisa mais leve depois dele. Mas o livro da Daniela Arbex me pareceu ser super interessante, viu? Talvez para um outro momento...

    E menina, cuidado com essa coisa de café + red bull, isso é um perigo! (mas pelos menos você tirou uma boa nota, menos mal)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi sim. <3
      Esse modelo é lindo, lindo, lindo.
      Eu sempre faço uma resenha assim que termino o livro, mas como acumulei leituras, segui o teu modelo de mini resenhas.

      Sobre a mistura, nem me fale... Nunca mais faço isso.

      Excluir
  4. Quem nunca apelou pra café, coca cola e energético na hora do desespero, né? HAHAHA entendo bem! Que bom que acabou e que tá mais de boa agora, essa correria de final de semestre é tensíssima.

    Eu comprei um Kobo esse ano e nem se compara a praticidade que é. Tava acabando com meu ombro (carregando o livro de GOT na bolsa), e por mais que livro físico tenha toda aquela história de apego sentimental e tals, não há nada melhor do que praticidade, hahaha.

    ResponderExcluir
  5. Sou doida por um Lev! Pretendo comprar um quando for para a faculdade, para não ter que ficar gastando tanto com livros didáticos, é uma mão na roda!! E, Jesus Cristo, tô doida pra ver Jessica Jones, não aquento mais ficar ouvindo o povo falar, hahaha, por enquanto não posso ver, mas com certeza já adicionei na minha lista (infinita) de séries para ver *-*

    ResponderExcluir

Copyright © Ensaio de asas
Design by Bruna Sarga