Bonito isso: Retratos de MARK PECKMEZIAN








Sou muito apaixonada por esse tipo de fotografia que mostra tiras, bordas, rugas, dobras e poeira. Retratos, pousados ou não, tão espontâneos. Um delícia de olhar por horas.

>>> Veja mais imagens em: markpeckmezian.com



*Bonito Isso é uma categoria inspirada no blog bonito isso: que infelizmente anda parado há muito tempo. Decidi resgatar a ideia porque o bonito precisa ser compartilhado 

Mocó da Villa - Bar Gourmet Mocó

Não sei você, mas uma coisa que me deixa bastante feliz é comer algo delicioso em algum lugar igualmente agradável. Também uso essa tática quando quero minimizar a tristeza (depois de chorar em posição fetal na cama). Funciona sempre.

Infelizmente, lugares super agradáveis, com comida deliciosa que parece mais receita de vó, são escassos. Sou do time que adora ambientes confortáveis ao ponto de nos sentirmos em casa. Gosto de ter contato com quem faz a minha comida. De conversar e rir alto com amigos, de fazer amizade com a pessoa da mesa ao lado, de ouvir música gostosa sem que ela atrapalhe a conversa. E tem mais, amo saber o fato de que poucos sabem, que a gente só conhece esses restaurantes por indicação de amigo ou de amigo do amigo. Deixa a coisa toda muito pessoal.

Mocó da Villa consegue reunir todas essas características acima.








Perceba que trata-se de uma casa adaptada, localizada dentro de uma Vila, no bairro das Graças. O Chef Marcílio de Pádua prepara pratos executivos a R$ 29,90, que mudam diariamente. Conheci o restaurante no almoço de aniversário do meu sogro que conhece o dono do Mocó há anos. 

Chegamos por volta das 11h, ainda vazio (aproveitei para tirar essas fotos, porque sinceramente acho péssimo sair fotografando as pessoas quando elas estão almoçando), mas em poucos minutos o ambiente encheu. 



Não lembro dos pedidos das pessoas que estavam na mesa, mas fotografei algumas das minhas entradas preferidas e o meu prato principal. Comemos a linguiça artesanal em forma de espiral levemente picante (esqueci de fotografar e ela foi devorada rapidinho), um pão super macio (foto à esquerda), que acompanhou a linguiça. Das entradas, merece destaque os pãezinhos de alho, também feito de modo artesanal com pasta de alho misturado à massa e cobertura de queijo parmesão (foto à direita). Gente do céu, o que dizer sobre esses pãezinhos? Tem comida que à medida que colocamos na boca, criamos laço emocional com ela. Já sinto saudades.

Meu almoço foi um pedido rápido e certeiro. Arroz de Jerimum com Requeijão coberto de Charque Crocante (última fotozinha). Eu iria fazer uma prova logo depois do Mocó e queria comer algo leve, também não podia ficar viajando muitos nas outras opções do cardápio por causa do tempo que poderia levar para a comida ficar pronta. Estava tudo delicioso. 

A verdade é que não vejo a hora de voltar. 




Mocó da Villa - Bar Gourmet Mocó
Rua Jacobina, 106 | Vila Jacobina
Casa 04, Graça, Recife - PE
(81) 3204-6560 e 9659-6077



fotos feitas por mim com um iPod

as vezes é preciso desacelerar


Quando estamos insatisfeitos com o nosso trabalho ou com a qualidade das coisas que tentamos/gostaríamos de fazer - no meu caso, por não saber mesmo -, precisamos voltar duas casas para analisar e estudar o caminho que desejamos seguir. Recuar é necessário. Desliguei minha cabeça do conteúdo do blog, entre outras coisas, a fim de ter mais tempo para me dedicar a questões que, no final, traz mais qualidade para minha vida e, de tabela, para o blog.

O andamento do aprendizado não terminou - inclusive, é infindo -, mas depois de um período compreendi que não dá para esperar a perfeição para começar a se mexer. Afinal, conhecimento sem aplicação, sem ação não é nada, apenas dados.

Nesse tempo, "longe do blog, entre outras coisas", vivenciei experiências maravilhosas. Fiz um curso de Mindset Coach, no qual pude olhar dentro de mim e perceber como as coisas estavam caóticas.

O orientador do Mindset Coach que participei,  Jéfte Amorim, definiu o curso da seguinte forma:
“mindset” (ou “modelos mentais”), que é o conjunto de caminhos comportamentais (e redes neurais) estruturados a partir da nossa forma habitual de pensar, sentir e agir. E todo mindset - não importa qual - é construído a partir da nossa comunicação conosco e com o mundo. Se nos comunicamos melhor, isto é, se gerenciamos melhor nossas emoções e seu impacto nas nossas habilidades de linguagem, podemos transformar quem nós somos no mundo.

Inferir a si própria, admitido, é muito doloroso. Principalmente quando você está cheia de receios, medos, dúvidas e até certezas que depreciam quem você é ou quem deseja ser. Bem como recuar é necessário, analisar-se também é.

Li vários livros - pretendo fazer resenha de todos -, alguns deles falam sobre meditação. Me apaixonei pela prática. A leitura esclareceu muitos mitos que pairavam a atividade com relação a suposta Iluminação/Religião. Entendi meditação como exercício mental regular que ajuda, e muito, na forma de pensar, sentir e reagir. O que é maravilhoso, pois a bonita aqui, as vezes não tão raro como eu gostaria, comporta-se como um trator desenfreado: dessa que grita, xinga e gesticula. No momento estou meditando de 15 a 20 minutos todos os dias.

Finalmente comecei a estudar fotografia, com livros e vídeos/cursos da eduk notei que eu realmente não sabia nada sobre a câmera, apenas apertar um botão. Levei a minha SLR reflex (Pentax K1000) no conserto - é parecida com as DSLRs, tirando o D de digital, claro -, possui lentes intercambiáveis, desempenho mecânico, exceto para o funcionamento do fotômetro e utiliza filme 35 milímetros. Ótima para aprender a fotografar. Ruim pelo fato de usar filme, item difícil de encontrar no mercado.

Confesso que fiquei pensando se falava sobre isso ou não porque me dá um sono imaginar que todo esse tempo sem produzir conteúdo afastou potenciais leitores. E quando alguém vier aqui vai ver textão pessoal - desses com a sujeira do umbigo da autora -, e achar que aqui é um mi mi mi sem fim. Até é, mas nem sempre. Muita coisa sucedeu - dentro e fora da minha cabeça - e quero muito compartilhar essas experiências com você. Ou seja, a regularidade dos posts vai voltar ao normal, semanal, todo bonitinho.

Também decidi falar escrever porque talvez você também precise recuar, mas fica com medo de desacelerar e cuidar de si. Entenda, tudo bem se isso for necessário. Tudo bem mesmo.


foto de Dominik Martin

Filmes de Fevereiro 2016

Criei um álbum com os frames dos filmes que estou assistindo em 2016. É massa para ter controle sobre o que ando vendo - de bom ou ruim - por aí. Como sou assumidamente ansiosa, ter controle de alguma coisa (qualquer coisa) é uma dessas receitas de anti depressão. Funciona para mim.

Para ajudar a identificar o quanto gostei do filme, vou colocar a minha classificação - estrelinhas - ao lado do ano de laçamento, dentro do parêntese: que vai de () muito ruim, detestei! a (★★★★) genial incrível!. 


  • Amor & Outras Drogas (Love and Other Drugs, dir. Edward Zwick, 2011 - clas. ★★) Jamie - sedutor e mulherengo - trabalha para a indústria farmacêutica. Sua função é convencer os médicos a prescrever os produtos da empresa para os pacientes. Ele conhece Maggie, jovem de 26 anos, que sofre de mal de Parkinson. Apesar de não ter achado o filme empolgante, ele é interessante em alguns aspectos: pela abordagem da doença de Maggie - não tinha ideia da gravidade de mal de Parkison, o surgimento da famosa pílula azul e o reboliço que foi sua entrada no mercado, além de mostrar a relação, existente no ramo farmacêutico, entre os lucros e a vida dos pacientes. Veja o trailer

  • 13° Distrito - Ultimato (dir. Patrick Alessandrin, 2009 - clas. ★★)  Meu namorado tá numa onda de parkour, do tipo viciado. Ele me fez assistir esse filme por causa de David Belle - considerado um dos criadores do Parkour. O filme é ruim, no entanto, as cenas de parkour são legais. Veja o trailer

  • Atividade Paranormal 2 (dir.Tod Williams, 2010 - clas. ★★) Assisti Atividade Paranormal 1 há muito tempo e deu vontade de assistir novamente. Mas não tinha na Netflix. Então acabei vendo o 2. Na boa, taí uma série que não me deixa dormir, mas o 2 é bem fraquinho. Veja o trailer

  • O Regresso (The Revenant dir. Alejandro González Iñárritu, 2015 - clas. ★★)  Leonardo DiCaprio mereceu muito o Oscar. Na verdade, achei justíssimo todas as indicações em que o filme levou a estatueta: melhor ator, melhor diretor e melhor fotografia (Emmanuel Lubezki). Veja o trailer

  • Garota Exemplar (Gone Girl dir. David Fincher, 2014 - clas. ★★) Assim que terminei a leitura do livro (leia a resenha aqui), fui ver a adaptação cinematográfica. Achei o filme tão bom quanto o livro. Veja o trailer

  • Empire Records (dir. Allan Moyle, 1995 - clas. ★★) Empire Records é uma pequena loja de discos que está prestes a falir e ser comprada por uma super rede de lojas. Os empregados do lugar - jovens impulsivos, sonhadores e cheios de problemas pessoais - tentam achar um jeito de conseguir dinheiro para salvar a loja. O filme é engraçado, com um ar de "sem noção" e conta com uma trilha sonora incrível. Veja o trailer

  • Manhattan  (dir, Woody Allen, 1979 - clas. ★★) Tenho vontade de fazer uma maratona de Woody Allen, mas fico adiando. Também tenho vontade de morar fora por tempo indeterminado e depois que assisti Manhattan isso só se intensificou. Outra coisa que se intensificou foi a vontade de conhecer melhor Pernambuco. Vai entender. Veja o trailer

  • Deadpool (dir. Tim Miller, 2016  - clas. ★★) Melhor filme de "herói" da Marvel Comics. Veja o trailer

  • Coraline e o Mundo Secreto (dir, Henry Selick, 2009 - clas. ★★) Animação macabra que não indico para nenhuma criança. Já na introdução há uma boneca de vudu sendo feita. E isso não é nada perto de uma "mãe" de Coraline com botões nos olhos que pede para costurar botões nos olhos dela também. O filme é em stop-motion, baseado no livro de mesmo nome, do autor britânico Neil Gaiman. Veja o trailer

  • Ring - O Chamado (dir, Hideo Nakata1997 - clas. ★★) Versão original de O chamado

  • [REC] (dir. Paco Plaza, Jaume Balagueró, 2008 - clas. ★★) Uma repórter de televisão, com foco em acontecimentos noturnos, está fazendo uma matéria sobre a noite dos bombeiros, quando eles recebem uma chamada para resgatar uma mulher idosa. Ao chegar, encontram a mulher num suposto ataque de raiva. A doença parece ser infecciosa e é transmitida pela saliva. Imediatamente as pessoas ficam presas no prédio sem resposta sobre o que está ocorrendo. O mais interessante do filme é o fato dele ser feito pelas imagens que a repórter e o cinegrafista gravam, dando um aspecto muito real a história. Meu cunhado me indicou porque sabe que tô numa vibe de filmes de zumbis. Veja o trailer

  • Carol (dir. Todd Haynes, 2016 - clas. ★★) Filme lindo em todos os aspectos. Cores, figurino, diálogos, interpretação, fotografia... Um suspiro atrás do outro.  Veja o trailer

  • Spotlight (dir. Tom McCarthy, 2016  - clas. ★★) Desde que decidi estudar jornalismo escuto o quanto estamos numa fase ruim, de crise, principalmente para o jornal impresso. É massa assistir um filme que mostra a importância desse veículo e o quanto precisamos de profissionais comprometidos em mostrar conteúdos relevantes para a sociedade. Veja o trailer

  • Creed: Nascido Para Lutar (dir. Ryan Coogler, 2016 - clas. ★★) Mais alguém, além de mim, acha que Sylvester Stallone deveria ter ganho o Oscar? Sei que ele não é bom em interpretação, mas convenhamos, ele criou Rocky Balboa e imortalizou o personagem. Na história do cinema, você não vai lembrar da pessoa que ganhou o Oscar 2016 de Melhor Ator Coadjuvante. Isso seria bem diferente se tivesse sido Stallone. Veja o trailer

  • O Agente da U.N.C.L.E. (dir. Guy Ritchie, 2015 - clas. ★★) Filme + ou - de Guy Ritchie. Gosto quando ele é mais escroto na direção. Veja o trailer


 :)